Incerteza, articulações e desconfiança na política em União dos Palmares

PMUNP

Ainda persiste a dúvida em relação se teremos ou não uma nova eleição majoritária em União dos Palmares. Enquanto a Justiça não se posiciona, pretensos candidatos se articulam visando uma possível disputa.

Alheios a essa incógnita, nomes começam a surgir nos bastidores políticos para enfrentar o candidato que por ventura venha a ser apoiado pelo prefeito Areski Freitas.

Mas um problema poderá surgir nas hostes governistas: é claro e evidente que Zé Alfredo – caso seja atingido pela medida -, vai reivindicar o direito de opinar sobre quem irá as urnas, assim também será com Eliane do Globo, Daniel da Quaker e Iran Meneses, porque todos esses apoiaram e entraram com tudo na campanha vitoriosa de Kil Freitas.

Será que o candidato apoiado por Freitas terá o apoio, simpatia e aceitação dos apoiadores e financiadores de sua campanha? Aí é onde poderá ocorrer as primeiras explícitas divergências políticas.

É público e notório que a postura de Zé Alfredo em suas ações políticas e administrativas não tem agradado ao prefeito e isso tem gerado uma ciumeira tremenda no gestor municipal. É claro e evidente que essas atitude de ZA, faz Areski Freitas ficar de olhos bem abertos contra aquele que foi o maior financiador – mesmo que a base da imposição do Palácio dos Martírios – de sua campanha. Na prática e na surdina é um desconfiando do outro porque ambos sabem das intenções de cada um. ZA é um pretenso e natural candidato as futuras eleições – quem sabe em 2020 -, Feitas dificilmente o apoiará porque sabe que com Zé Alfredo no comando administrativo municipal ele jamais terá vez, voz e nem poder de mando.

Por outro lado, Kil tem incentivado e dado “corda” a ZA para enfrentar os mais difíceis processos em relação a máquina pública, como exemplo, o enfrentamento a servidores municipais, como ocorreu na SEINFRA, numa nítida intenção de desgastar o quanto puder seu futuro desafeto e, aos poucos, Areski tem conseguido seus objetivos. Muitos percebem essa manobra e estratégia de Freitas, mas Zé Alfredo, talvez até por seu radicalismo, inexperiência e inocência política não o tenha percebido.

O fato é que, tanto Areski quanto Zé Alfredo estão atentos e vigilantes um no outro, na prática, a desconfiança é mútua. Há na verdade um clima de insegurança e trairagem no ar, resta saber quem dará o primeiro passo para o rompimento político. Isso é fato!

Em relação a oposição, o grande problema é encontrar um nome de peso, e consistência que seja capaz de unir e agregar as diversas facções políticas para tentar resgatar o poder na terra e Zumbi dos Palmares.

Nesse aspecto, o grande empecilho que reina é a vaidade e interesse pessoal, a prepotência, a arrogância, a ciumeira o egoísmo que poderá atrapalhar os planos da oposição para conquistar o poder. Se houver uma conciliação e um grande entendimento,- o que não é fácil devido aos motivos citados acima -, evidentemente que as chances de vitória aumentam consideravelmente.  

Cada nome posto terá que ser cuidadosamente avaliado sob todos os aspectos e, claro, as verdadeiras possibilidades de cada um. Quem reúne as melhores condições pessoais, financeiras, carisma, poder de liderança, aceitação popular, ‘jogo de cintura’, os melhores apoios políticos, apoio de lideranças em nível local e estadual, quem tem maiores chances de vencer as eleições; e um dos fatores de suma importância é, através de pesquisas, avaliar quem tem maiores possibilidades de vitória.

Vale salientar que o índice de rejeição terá que ser rigorosamente avaliado em toda e qualquer decisão política, especificamente sobre aqueles que pretendem ir para a disputa, porque há índices de rejeição que jamais serão superados, mesmo que seja feito o um minucioso trabalho de marketing.

Na hora da escolha não agir levado pela emoção, pela paixão, pelo revanchismo, pelas picuinhas, ou mesmo porque determinado grupo ou pessoas não simpatiza ou tem divergências pessoais com aquele que reúne sob todos os aspectos as melhores condições de ir para a campanha contra o candidato da situação.

Portanto, aguardemos o desenrolar dos acontecimentos, o movimento daqueles que pretendem colocar seus nomes ao julgamento de seus grupos políticos, de seus apoiadores e, consequentemente, buscar o tão sonhado e almejado apoio popular.