Estado e Município “disputam” crédito por redução no preço de combustíveis

Os Procons Maceió e Alagoas parecem “travar uma disputa” pelos créditos da redução no preço da gasolina no Estado. Alguns postos da Capital já estão comercializando o combustível por R$3,20 e em Arapiraca, R$3,15.

Em sua página oficial no Facebook, o governador Renan Filho afirmou que a queda dos combustíveis se deu por causa de um trabalho conjunto fez com que os preços caíram por causa de uma ação conjunta capetaneada pelo Procon Alagoas. “Depois desse trabalho, deixamos de ter uma das gasolinas mais caras do país para termos a terceira mais barata” afirmou.

Porém, de acordo com o diretor executivo do Procon Maceió, Leandro Almeida, a queda no preço dos combustíveis foi sentida pela população a partir do anúncia de fiscalização realizada pelo órgão na capital alagoana, que aconteceu na última segunda-feira (10).

“Nós anunciamos a fiscalização que realizamos na segunda ainda na sexta-feira (7) da semana anterior e desde aquele dia, muitos estabelecimentos derrubaram seus preços e a população já formou filas em vários locais. No domingo, tivemos mais postos diminuindo os valores e na segunda, através da nossa fiscalização, conseguimos fazer com que outros diminuíssem também. Já a comissão formada pelo Procon Estadual se reuniu no último dia 24, quando a gasolina ainda estava com um preço ainda alto” disse.

Já o superintendente do Procon Alagoas, João Neto, reforçou o discurso do governador informando que o órgão juntamente com a Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal de Maceió, Ministério Público Estadual (MPE) e a Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL) estão se reunindo desde o mês de maio visando a diminuição dos preços no Estado.

“O Procon Alagoas tem o poder de polícia nesses casos para podermos fiscalizar essas ações e, por isso, fomos às ruas e toda essa força-tarefa montada está colhendo bons frutos desse trabalho realizado em conjunto” afirmou.

A assessoria de comunicação do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Alagoas (Sindicombustíveis/AL) informou ao Cada Minuto que a entidade não interfere no valor cobrado pelo combustível no Estado e que essa decisão de aumentar ou diminuir o valor do produto é decidido por cada empresário de maneira individual.

O vereador por Maceió, Silvânio Barbosa (PMDB/AL), que faz parte da CEI, disse em entrevista ao Cada Minuto que “a Câmara teve o protagonismo principal, porque percebemos a diferença de preços entre postos no litoral Sul e Norte e até mesmo dentro da cidade, por exemplo. A CEI fez um trabalho de pesquisa dos preços do combustível em outras cidades de Alagoas e também fora do Estado. Nós também, em ação conjunta com o MPE, OAB e Procon Alagoas, trouxemos informações importantes para haver a interlocução entre os empresários e o Sindcombustíveis. Depois de dialogar, houve a redução dos preços. Não há um responsável pela queda desses preços, a Câmara fez o seu papel, assim como os outros órgãos também fizeram” finalizou.

CadaMinuto