Equipes da PM salvam cão que estava jogado às margens da BR 316 com as patas amarradas

A rotina dos agentes que integram as guarnições da Polícia Militar que destacam nas cidades de Tanque D’Arca e Belém, no Agreste Alagoano, foi quebrada na tarde desta segunda-feira (3), após um chamado para uma possível tentativa de assalto. Eles encontraram, as margens da BR 316, um cachorro que estava jogado em uma vala, com as patas amarradas.

Os policiais receberam uma denuncia anônima de que um homem estaria assaltando uma Van, em um dos trechos da BR 316, entre as duas cidades. Rapidamente a guarnição foi até o local e revistou todos os passageiros, onde nada foi encontrado.

Quando se preparavam para ir embora, as equipes, lideradas pelos sargentos Paulo Pedro e Araújo, ouviram gemidos parecidos com “gritos de socorro”. Houve espanto entre os policiais, que em seguida ouviram um uivo.

Ao atravessar a pista os militares encontraram um cão, que estava com as duas patas amarradas e o pescoço, em um cabo de vassoura, e foi jogado dentro de uma vala com lama. Sem pestanejar, os agentes de segurança resolveram salvar o cachorro, que foi abandonado a sorte, em um local deserto, sem residências próximas.

A “denuncia anônima” não foi em vão… e mostrou um lado pouco conhecido da “Briosa Alagoana”. O lado humano, que não damos muito valor, diga-se de passagem. Por várias vezes os integrantes da PM alagoana, de vários batalhões, fazem doações, partos, salvam vidas… e para nós o que interessa são apenas as ocorrências, o lado ostensivo da “coisa”.

Hora de mudar conceitos…