ÁUDIO: Com os homicídios em alta governo tenta evitar retorno da Força Nacional para Maceió

O aumento do número de assassinatos em Alagoas, que tem chamado a atenção da mídia nacional e a pressão feita pelo Ministério da Justiça (MJ), que planeja enviar mais uma vez para o estado equipes da Força Nacional (FN), para esclarecerem os diversos crimes registrados, muitos que nem ainda começaram a ser investigados, levou o governo estadual a correr atrás do prejuízo.

Em Maceió, onde a quantidade de homicídios não para de crescer, a Secretaria de Segurança Pública (SSP), planeja agir com duas táticas.

A primeira é que os homicídios registrados até o último dia 28 de fevereiro passem a ser investigados por delegados da Divisão Especial de Investigação e Captura (Deic) e outros departamentos da Polícia Civil. O outro plano é que um grupo de seis delegados, lotados em outras delegacias, reforcem os trabalhos na Delegacia de Homicídios na capital e investiguem os assassinatos praticados a partir do dia 1 de março.

Os números de homicídios somente este ano são chocantes. Em janeiro foram 79 mortes, contra 35 no mesmo mês no ano passado. Em fevereiro foram 71 mortes contra 32 em 2016.

Com os homicídios em alta governo tenta evitar retorno da Força Nacional para Maceió (Arquivo)

Com os homicídios em alta governo tenta evitar retorno da Força Nacional para Maceió (Arquivo)

O diretor da Polícia Civil, delegado Paulo Cerqueira acredita que o reforço, determinado pelo governador Renan Filho (PMDB), irá resolver o problema das investigações e confirma o aumento dos casos de homicídios.

Mas o reforço dos trabalhos na Delegacia de Homicídios é visto com certa cautela por muitos policiais e delegados.

A DH não tem sede própria, funcionando em pequenas salas no Complexo de Delegacias Especializadas. O local é precário, a carceragem é a mesma usada por outras delegacias e a segurança do prédio deixa a desejar. No ano passado duas fugas foram registradas. Também faltam policiais para trabalharem nas investigações e carros descaracterizados para esse tipo de serviço.

Mas Paulo Cerqueira garante que os problemas estão com os dias contados. Segundo ele a DH e a Delegacia de Repressão ao Narcotráfico terão sedes próprias ainda este ano. As duas especializadas vão funcionar no bairro da Chã de Bebedouro.

O estado tenta inviabilizar o retorno para Alagoas dos delegados da Força Nacional que pretendem investigar vários homicídios em Maceió, principalmente os casos dos supostos confrontos entre suspeitos e equipes da Polícia Civil e Militar. As mortes nessas supostas tentativas de prisões despertaram a atenção do Ministério da Justiça após constatar que na maioria das mortes os locais que deveriam ser preservados para os trabalhos da perícia foram violados pelos próprios policiais. Outro detalhe é saber como os policiais alagoanos agem quando existe resistência da pessoa que deveria ser presa. Existem dúvidas se os policiais não têm recebido treinamentos ou estão sendo instruídos de forma errada.